Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Os hospitais e as chouriças

por Happy & Healthy, em 01.12.15

Novembro foi um mês de reviravoltas e quesilhas, com Costa a entrar de rompante pela Assembleia, tal qual sopro gélido em manhã de inverno, traiçoeiro, inesperado, mas, sobretudo, inóspito. E o Manel, como bom defensor da pátria, retoma apressadamente o seu trajeto diário para o café, não vá ele apanhar uma valente gripe. Pelo menos, por ali sempre fica mais resguardado.

  

E é assim, de mão esquerda na bica, e mão direita de cigarro pendente, jura não votar nas eleições presidenciais, que, de certo, não estarão longe. Mas fá-lo com tamanha desfaçatez, que apenas quem passou e ouviu o Manel no café do Sr. Joaquim, amaldiçoando o governo que havia de vir, toda a santa tarde de 4 de Outubro (de resto, como nas últimas cinco eleições), era capaz de duvidar de tal afirmação.

   

É assim que o Manel sacode a responsabilidade, e se toca em frente. Lá vai ele a desfilar pela avenida da vida, não formoso, mas seguro, fingindo o desassossego, embora não o suficiente se desassossegar totalmente. Não o suficiente para votar. Nunca o suficiente repensar as próprias escolhas em função de terceiros.

 

A motivação não chegará para deixar de fumar, afinal que mal tem um cigarrito de vez em quando, um dos poucos prazeres que lhe resta? Nunca chegará para moderar a alimentação e muito menos para se exercitar. O Manel nunca se lembrará de que o sal de que tanto gosta é um dos responsáveis pela altíssima taxa de AVC que reside em Portugal, das mais elevadas na Europa. Já para não falar das chouriças à hora do almoço, mesmo quando o colesterol está nos píncaros. Tenham paciência, um homem não vive do ar!

 

E no final do dia, lá vai o Manel apregoar, em alto e bom som, para o café do Sr. Joaquim, porque o Serviço Nacional de Saúde está pela hora da morte, e alguém tem que dizer estas verdades. Afinal, o portuguezinho precisa de um bypass coronário e não há coração que aguente listas de espera tão infindáveis. Não há direito. Não há governo. E certamente, não há financiamento que sobreviva a tantas chouriças.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Follow

Instagram